Porto reduz emissões e consumo energético nas ETAR com o projeto transfronteiriço Aqualitrans
31-01-2020
"Aqualitrans" é a palavra de código para a gestão sustentável de energia nas Estações de Tratamento de Águas Residuais do Porto, do Norte e da Galiza, bem como um pilar da economia circular. Os resultados já começaram a traduzir-se em ganhos energéticos e de redução de emissões, nomeadamente em Sobreiras e no Freixo, e a implementação de outras medidas deverá fazer subir ainda mais a eficiência operacional.

O projeto transfronteiriço Aqualitrans, de que a empresa municipal Águas do Porto é uma das principais parceiras, foi lançado com vista à criação de um modelo energético eficiente e sustentável para as ETAR (Estações de Tratamento de Águas Residuais) da cidade do Porto, de mais alguns concelhos do Norte e também da Galiza. Os objetivos estratégicos são a minimização de custos e a redução do consumo energético, no sentido de atingir a sua sustentabilidade económica e ambiental e contribuir para uma economia circular global. Ou seja, dar mais um importante contributo para os objetivos gerais de desenvolvimento sustentável e de proteção ambiental definidos na Estratégia Europeia 2020, o que já está a acontecer.

Com efeito, o Aqualitrans está a prestar especial atenção à energia consumida pelas ETAR e às emissões derivadas de seu consumo, que representam um dos maiores impactos ambientais deste tipo de instalação, tendo já dado passos assinaláveis nesse domínio. Revelados ontem pelo conjunto de entidades do Norte e da Galiza envolvidas na sua implementação e reunidas no Porto, alguns dos principais resultados já alcançados são considerados chave para a melhoria energética das ETAR e para o uso eficiente dos recursos utilizados no processo de tratamento de águas residuais.


Eficiência energética e poupança em Sobreiras
Entre eles, destacam-se os ganhos conseguidos na ETAR de Sobreiras, onde uma das medidas a implementar foi a otimização do sistema de elevação inicial, o que levou à substituição das bombas existentes por outras, preparadas para funcionar com variação de velocidade.
Com esta medida, foi melhorado o rendimento de bombagem, foram reduzidos os consumos em 15% e obtidos importantes ganhos de eficiência energética, bem como uma poupança que deverá atingir cerca de 452.000 kWh/ano.

A otimização do sistema de gestão de energia foi outra ação implementada nos equipamentos de maior consumo, onde foram instalados controladores para medir consumos e custos em diferentes setores e identificar áreas de atuação para intervir a nível da racionalização de consumos. Segundo as previsões avançadas pela Águas do Porto, deverá ser possível alcançar uma poupança energética de cerca de 330.000 kWh/ano e uma redução nas emissões de carbono de aproximadamente 155.000 kgCO2/ano.

É de referir que a implementação destas duas medidas teve associado um orçamento inferior a 50 mil euros.


Entretanto, o INEGI - Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial, um dos parceiros do Aqualitrans, levou a cabo auditorias energéticas num total de 10 ETAR do Norte de Portugal, sendo que na cidade do Porto foi também contemplada a do Freixo, além da de Sobreiras. Estas duas, cuja operação é da responsabilidade da Águas do Porto, são as instalações que apresentam maior dimensão entre os casos estudados, enquanto as restantes portuguesas dizem respeito a localidades em Barcelos, Vila Real, Lousada, Amarante, Vila do Conde, Guimarães, Lamego e Vila Verde.

Os parceiros galegos do projeto são a Entidade Pública Empresarial Augas de Galicia, o Departamento de Enerxía e Planificación Enerxetica do Instituto Enerxético de Galicia (INEGA) e a Fundación Instituto Tecnológico de Galicia (ITG), sendo beneficiárias 10 localidades das províncias de Corunha, Lugo e Pontevedra.

No total, é de cerca de 200 o número das ETAR desta eurorregião em que o desenvolvimento do projeto Aqualitrans permitirá vir a aplicar medidas de melhoria energética no processo de tratamento de águas residuais, assegurando a qualidade da água tratada, obtendo melhores rendimentos de tratamento, menores consumos energéticos e menores emissões de CO2 e diminuindo os problemas processuais associados.