18/01/2023

O Executivo municipal aprovou por unanimidade, na reunião pública de segunda-feira, o Plano Diretor de Iluminação Pública do Município do Porto. O documento contribui “para uma melhor racionalização dos custos de investimento e de manutenção e para a minimização quer dos impactos ambientais, quer do consumo energético.”


Na proposta subscrita pelo vice-presidente e vereador do Ambiente e Transição Climática, Filipe Araújo, notava-se que o Plano Diretor de Iluminação Pública “é um instrumento de gestão moderno e eficaz, que facilita o desenvolvimento orgânico e sustentado da estrutura de iluminação pública da cidade.”


O documento – elaborado pela Agência de Energia do Porto, com a colaboração da empresa municipal Águas e Energia do Porto – tem como principais objetivos, entre outros, “promover uma visão integrada e coerente da infraestrutura de iluminação pública em todo o território, sem prejuízo da identidade da cidade”, bem como “reduzir de forma sustentada a fatura energética, resultante do acompanhamento das tecnologias de iluminação mais eficientes.”


“Melhorar a qualidade de vida dos residentes e visitantes, revitalizando a atividade urbana durante o período noturno” é outro dos objetivos do Plano Diretor de Iluminação Pública, que foi aprovado por unanimidade.

Pelo BE, Maria Manuel Rola valorizou “a existência do plano”. “É muito detalhado e tem bastante informação sobre o problema de poluição luminosa de que o Porto padece”, acrescentou.


“O Plano Diretor de Iluminação Pública ainda não tinha vindo ser aprovado, mas fazia parte do dia-a-dia do trabalho das equipas e esteve na base da proposta de concurso de 2019, de mudança para LED na cidade”, respondeu Filipe Araújo.


Ilda Figueiredo, da CDU, considerou “importante” que o Executivo tenha tido a oportunidade de apreciar os documentos, alertando contudo que há na cidade “problemas de falta de iluminação.”


Fotografia: porto.pt - Miguel Nogueira