Os rios e ribeiras do Porto são um exemplo da gradual artificialização dos ecossistemas fluviais que atravessam uma área urbana de génese secular. Verifica-se que atualmente cerca de 75 % das linhas de água que cruzam a cidade encontram-se entubadas.


A Lei da Água (Lei nº 58/2005 de 29 dezembro) e a Lei da Titularidade dos Recursos Hídricos (Lei nº 54/2005 de 15 novembro) veio introduzir novos conceitos da gestão dos recursos hídricos, nomeadamente restrições e proibição ao nível da ocupação edificada junto das margens e no leito.


Desde 2006 a Águas do Porto, EM assumiu o compromisso de gestão dos rios e ribeiras do Município, numa perspetiva de proteção e valorização destes recursos. Para este desígnio considera-se importante, sempre que possível, proceder ao seu desentubamento, convertendo zonas “cinza” em zonas “verdes”, com grandes benefícios hidráulicos, ambientais e ecológicos, mas também para a qualidade de vida na cidade. Neste âmbito, ao longo do tempo foram já levado a cabo alguns projetos em domínio público, como por exemplo no troço da Quinta do Rio da ribeira da Granja. 


Considerando que os rios e ribeiras e respetivas margens constituem um sistema de corredores naturais contínuos, interligados e complexos, e devido às condições propícias ao abrigo de grande quantidade e diversidade de espécies vegetais e animais, os sistemas ribeirinhos superam muitas vezes a diversidade biológica dos ecossistemas envolventes. Num meio de carácter fortemente urbano como a cidade do Porto, os ecossistemas ribeirinhos encontram-se muito alterados, sofrendo enormes pressões por parte da envolvente (humanas, sonoras, poluição, etc.).


Neste sentido, a Águas do Porto, EM tem promovido nos últimos anos ações que visam a requalificação das ribeiras e rios da cidade, reperfilando o seu traçado, estabilizando as suas margens, promovendo o desenvolvimento da galeria ripícola e dos sistemas vivos a eles associados e, simultaneamente, reinterpretando os seus espaços adjacentes de grande potencial lúdico, conciliando o uso urbano e natural. As intervenções têm sido faseadas e têm subjacente a criação de um continuum naturale, por forma a promover a conectividade dos vários troços, utilizando técnicas construtivas de bioengenharia (Nature Based Solutions), potenciando a funcionalidade ecológica, hidrológica e paisagística dos sistemas sujeitos a intervenção.


Como troços intervencionados destacam-se os seguintes: Ramalde do Meio, Requesende, Viso e Pinheiro Torres (ribeira da Granja) e troço do Outeiro (ribeira da Asprela) e o Parque Oriental (Rio Tinto).